Segunda-feira, 18 de Junho de 2007

É SEMPRE TARDE DEMAIS


(Pedro Abrunhosa | Pedro Abrunhosa)

Se um dia
O chão te disser
Que os teus passos
Penetram as sombras
Da sorte,
E os néons
Crepitam palavras
Em vãos de escada
Onde fintas a morte,
[Então] mil carros atravessam a tua vida
E a tua alma, que é de luz,
Foge das mãos,
Esconde-se em “Nãos”
Que o teu preço seduz.

É tempo de fechares os olhos
É tempo de pensares em ti
É tempo de fechares os olhos
É tempo de pensares em ti
E cada dia é um dia a mais para o céu
E para ti é sempre

Tarde demais
Tarde demais...
Tarde demais
Tarde demais...

Se uma noite
O fim te chegar
Na calada de um beijo
Tardio,
E os faróis
De um carro de prata
Te perderem na mata
Ou na bruma do cio,
Vais querer voltar ao princípio
Mas afinal só se nasce uma vez
E essa vez morreu.
E depois é tudo assim,
Um pouco louco,


Distante, constante
Essa dor, essa cor,
Que a vida te deu.

É tempo de fechares os olhos
É tempo de pensares em ti
É tempo de fechares os olhos
É tempo de pensares em ti
E cada dia é um dia a mais para o céu
E para ti é sempre

Tarde demais
Tarde demais...
Tarde demais
Tarde demais...

É cedo demais…

Publicado por Universal Music Portugal às 00:00
Link do post | Comentar | Ver comentários (2)

Arquivos

Fevereiro 2010

Setembro 2009

Agosto 2009

Maio 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

tags

todas as tags

SAPO Blogs

subscrever feeds